Por: Andréa Leonora | 15/07/2019
15/07/2019

Parte 4

 

O Estado sempre teve dificuldade para controlar os volumes de agrotóxicos comercializados em Santa Catarina, mas isso começou a mudar no ano passado, quando todas as movimentações de produtos dessa linha passaram a ser informatizadas. Na concepção da solução tecnológica está a preocupação em disponibilizar dados para consulta pública, “um princípio de transparência adotado pela Secretaria”, segundo Ricardo Miotto, secretário adjunto de Agricultura do Estado.

O sistema está em fase de aprimoramento e finalização. O objetivo é que ele possa disponibilizar informações como o volume por categoria – inseticida, herbicida, fungicida, etc. De acordo com o secretário, depois de aprimorado vai ser possível saber, por localidade agrícola dentro de cada município, quais os agrotóxicos utilizados e quais volumes foram adquiridos. “Vamos ter condições de ampliar a fiscalização, mas, antes disso, de dar uma orientação mais adequada para o conjunto daquela comunidade. Essa inteligência vai nos permitir otimizar o recurso, tanto humano quanto financeiro, em fiscalizações específicas e mais objetivas.”

 

Leia também:

 

Estado tem autonomia para controle mais restritivo de defensivos agrícolas

Saúde humana e sustentabilidade ambiental: a responsabilidade de cada um

Fiscalização e controle para minimizar danos com agrotóxicos

Abelhas dão o alerta para desequilíbrio ambiental

Maçã catarinense dispensa uso de defensivo que penetra na fruta

 

 

Por Andréa Leonora/CNR-SC