Por: Andréa Leonora | 14/05/2019
14/05/2019

A agenda de reformas – especialmente no âmbito tributário – será fundamental para a retomada dos negócios no setor de confecção em Santa Catarina. É o que aponta estudo realizado pelo Sistema de Inteligência Setorial (SIS) do Sebrae-SC, que detalha três cenários para o segmento até 2021. Na perspectiva considerada realista, o mercado interno pode ajudar o setor a crescer mesmo sem as reformas.

O cenário otimista, por sua vez, dependerá do aumento da demanda no consumo e também de mudanças regulatórias e tributárias a favor do empresariado brasileiro, o que ajudaria a tornar o produto nacional mais competitivo tanto internamente quanto no mercado externo. Já no cenário pessimista, a situação político-econômica desfavorável faria com que as legislações aplicadas ao setor não avançassem. O segmento de vestuário responde por 18,8% dos empreendimentos industriais e por 21,8% dos empregos na indústria em Santa Catarina.

A produção neste setor cresceu 6,1% em 2018, sendo um dos responsáveis por puxar a economia do estado. Ao todo, Santa Catarina – segundo polo nacional, atrás apenas de São Paulo – conta com 7,4 mil empresas na área de confecção, das quais 88,4% são de micro e pequeno porte. A íntegra do estudo SIS-Sebrae pode ser acessado no link bit.ly/2JiDnpM

 

Eletrosul fica (?)

A bancada de Santa Catarina está unida em não permitir que a Eletrosul seja incorporada pela Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE), do Rio Grande do Sul. Nesta segunda-feira, em audiência pública na Assembleia Legislativa, os deputados estaduais, federais e senadores catarinenses marcaram posição contrária à proposta da Eletrobrás. O senador Jorginho Mello (PR-SC), o coordenador do Fórum Parlamentar Catarinense, deputado Rogério Peninha (MDB-SC), e a presidente da Frente em Defesa da Eletrosul, deputada Luciane Carminatti (PT), vão pedir audiência para levar o assunto ao presidente da República, Jair Bolsonaro. A sugestão da audiência com Bolsonaro para tratar do futuro da Eletrosul partiu do senador Esperidião Amin (PP-SC).

Amin deixou claro que é contra o processo de fusão entre a Eletrosul – com sede em Florianópolis – e a CGTEE, do Rio Grande do Sul, ambas subsidiárias da Eletrobras. O senador do PP adiantou que vai acompanhar o movimento e afirmou que tem certeza de que a Fórum Parlamentar Catarinense vai “se engrandecer pela luta”, que terá resultado político. “Este é o primeiro pedido que Santa Catarina faz. Quando veio pra cá (Eletrosul), a luta foi de um governador do Estado. O governador do Estado tem que participar disso, porque faz parte do seu mandato”, provocou Amin. Ele relembrou a “conquista política” que foi a vinda da Eletrosul para Florianópolis em 1976, quando ele próprio era prefeito da Capital.

[Atualização – Depois da audiência na Assembleia, os parlamentares participaram de almoço com o governador Carlos Moisés, que, segundo o senador Esperidião Amin, garantiu apoio no movimento contra o processo de fusão entre a Eletrosul – com sede em Florianópolis – e a Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE), do Rio Grande do Sul, ambas subsidiárias da Eletrobras. Amin afirmou que o governador confirmou presença na audiência com o presidente Jair Bolsonaro, ainda não agendada. O único assunto que será tratado na reunião é referente a Eletrosul.]

 

 

Reforma administrativa Em reunião conjunta das comissões de Constituição e Justiça, de Finanças e Tributação, e de Administração, Trabalho e Serviço Público, marcada para o final da tarde de quarta-feira (17), será apresentado o relatório final da proposta da Reforma Administrativa do Poder Executivo. Os relatores vão apontar quais das 158 emendas apresentadas pelos deputados à reforma foram acatadas. Previsão é que a proposta vá à votação no Plenário da Assembleia Legislativa na próxima semana.

 

Economia A Procuradoria Geral do Estado recebeu mais de 340 propostas de titulares de precatórios (dívidas reconhecidas em decisões judiciais) interessados em fazer acordo para antecipar o recebimento dos valores, em um total de R$ 79 milhões. A estimativa é de uma economia de cerca de R$ 20 milhões aos cofres públicos. As propostas estão em análise.

 

Combate ao Aedes Na próxima semana, entre do dia 20 a 24, a Reciclanip, entidade gestora do sistema de Logística Reversa de Pneus Inservíveis em todo o Brasil, realizará o recolhimento de pneus em Santa Catarina. É mais um esforço no combate ao Aedes aegypti, o mosquito transmissor de dengue e outras doenças graves. Para saber onde estão pontos de coleta já conveniados pode-se acessar o endereço reciclanip.org.br/pontos-de-coleta/coleta-no-brasil

 

Na mesma semana, dedicada ao setor industrial, a Federação das Indústrias (Fiesc), por meio do SESI e do Senai, vai promover oficinas, workshops e minicursos em todas as regiões do estado. Em Florianópolis, o destaque da programação é a entrega da Ordem do Mérito Industrial e do Mérito Sindical, na sexta (24), em solenidade que será realizada pela manhã, na sede da Federação.