Por: Pelo Estado por: Andréa Leonora | 22/11/2018

Exatamente um mês antes do começo do verão (começa em 21 de dezembro), o governo do Estado anunciou algumas das principais ações na área de Segurança para garantir uma temporada o mais tranquila possível para quem vem passar as férias por aqui. O governador Eduardo Pinho Moreira e o secretário da Segurança Pública, Alceu de Oliveira, detalharam como será a Operação Verão 2018/2019, presente em 61 dos 295 municípios catarinenses. Durante um período de quase três meses, 10 mil agentes da área, entre policiais e bombeiros – incluindo alguns vindos da Argentina – terão o suporte de duas mil viaturas, sete helicópteros e três aviões, além de quadriciclos, motonáuticas e embarcações para o trabalho de ostensivo, preventivo e de apuração.

A Segurança continua sendo tratada com absoluta prioridade por Moreira. E assim será também nos meses de verão.  “Segurança é fundamental para o turismo. E temos orgulho de poder falar que Santa Catarina vive um momento de diminuição de todos os índices de criminalidade”, disse ao destacar que até agora o estado registrou 174 mortes a menos que em 2017. “São vidas poupadas por ação defensiva e preventiva de nossas forças de seguranças. Aprendi muito com o ex-governador Luiz Henrique. Ele acreditou no Turismo.” A Operação Veraneio da próxima temporada está orçada, inicialmente, em R$ 15 milhões, recursos já garantidos.

Apesar da crise na Argentina, maior país emissor de turistas para Santa Catarina, e também da crise brasileira, o secretário de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, Tufi Michreff Neto, prevê crescimento no número de visitantes por aqui. Ele projeta que pelo menos 5 milhões de pessoas estarão passeando por aqui, número composto por turistas internos (circulação entre municípios), nacionais (vindos de outros estados) e estrangeiros (oriundos de outros países, principalmente do Mercosul).

 

Com toda força… e luz

O presidente da Celesc, Cleverson Siewert, participou do pré-lançamento da Operação Veraneio para apresentar os preparativos da companhia para a temporada. A preocupação não é só com o aumento da demanda, que exige um sistema absolutamente confiável, mas, principalmente, com as intempéries climáticas, cujas ocorrências se elevam em média 35% nos três meses de verão, na comparação com o restante do ano.  De acordo com Siewert, a soma dos dois fatores – população maior e mais temporais – levaram a empresa a contratar 300 trabalhadores temporários, reforçando as equipes de atendimento, além de 36 equipes extras de eletricistas para as emergências. São pequenos detalhes no imenso esforço de investimento da companhia para melhorar a performance e os índices em todas as regiões. Só em 2018 a Celesc está aplicando R$ 360 milhões em obras e serviços, dos quis R$ 110 milhões para obras no sistema elétrico de alta tensão. No ano, os recursos para manutenção do sistema elétrico somam R$ 50 milhões. Deste total, R$ 17,5 milhões foram destinados à limpeza de faixa, poda e roçada de vegetação. Sem esse trabalho preventivo, aumentam os riscos de desligamentos. | Foto: Ascom Celesc

 

Pegando o jeito Mesmo ainda sem uma função oficial, a vice-governadora eleita, Daniela Reinehr, participou do pré-lançamento da Operação Veraneio. Não só compôs a mesa de autoridades, como foi chamada a sentar-se ao lado de Pinho Moreira. Aliás, o atual governador aposta no sucesso do próximo chefe do Executivo catarinense, Carlos Moisés da Silva, no que diz respeito à operação. É que Moisés é coronel reformado do Corpo de Bombeiros Militares e está acostumado com grandes operações.

A polêmica em torno do programa “Mais Médicos”, do governo federal, chegou à Assembleia Legislativa. O deputado Antônio Aguiar (PSD), que é médico, apresentou um vídeo com informações e imagens já desmentidas e fez críticas ao programa. Já o Dirceu Dresch, que é petista, reagiu, classificando as observações do colega parlamentar de preconceituosas e as imagens como fake news. O debate que acontece no Legislativo é o que menos importa agora. O momento é de encontrar solução para as prefeituras – e comunidades – que ficaram sem atendimento médico.

Gás natural A Câmara de Assuntos de Energia da Federação das Indústrias (Fiesc) terá a última reunião do ano hoje. Na pauta, a distribuição de gás natural no estado, com índices históricos nos últimos meses, justamente em um período que promete avanços em termos regulatórios e de suprimento no mercado de gás natural. Analisando apenas o volume distribuído às indústrias ao longo de 2018, o crescimento foi significativo. Até outubro, este segmento consumiu aproximadamente 1,59 m³/dia de gás natural, 5,5% a mais em relação ao mesmo período em 2017 e 10,8% na comparação com 2016.