Por: Pelo Estado por: Andréa Leonora | 03/01/2019

O governador Carlos Moisés, empossado na terça-feira (01), concedeu a sua primeira entrevista coletiva à imprensa. Foram quase duas horas de muitas informações da parte do novo governador e de muitas perguntas da parte dos repórteres. O destaque dado por Moisés foi para os cortes, sempre visando economizar recursos financeiros que deverão ser usados, prioritariamente, na infraestrutura.

Com a desativação das Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs) e dispensa de cargos comissionados ou de confiança, serão afastadas do Executivo, no primeiro momento, 922 pessoas. Além disso, todos os processos burocráticos serão digitalizados, de forma a zerar o uso – e a compra – de papel, aluguel ou aquisição de impressoras, tinta e ainda o uso de mão de obra com essas tarefas.

Somam-se aí a renegociação das dívidas do Estado para alongamento dos prazos e redução dos desembolsos, venda de imóveis do patrimônio estadual, venda das aeronaves, compra de passagens diretamente com as empresas aéreas e não mais via agências de viagens, intensificação do uso de pregão eletrônico, criação do Centro de Serviços Compartilhados, do Centro de Gestão de Pessoas e do Plano Anual de Compras, revisão de todos os contratos vigentes, incluindo os de renúncia fiscal, e combate rigoroso à sonegação.

“São as primeiras ações definidas depois de dois meses estudando a situação do Estado”, observou o governador. Com todas essas ações, e com o aumento da receita pela melhoria da atividade econômica, Moisés espera zerar o déficit do Estado até o final do ano. O valor estimado do déficit é de R$ 2,5 bilhões.

Primeiro escalão

Foto: Maurício Vieira, Secom

Na parte da manhã desta quarta-feira (02), em ato fechado no Centro Administrativo, foi dada posse ao primeiro escalão do novo governo. Todos os secretários participaram também da coletiva e, em que pese a importância que vem sendo dada a cada pasta, ficou evidente que o secretário da Fazenda, Paulo Eli, terá papel preponderante no governo Moisés. Por várias vezes Eli foi citado ou chamado a responder pequenas dúvidas. Ele será o responsável por fazer acontecer. O combate à sonegação e o uso de inteligência para aumentar a arrecadação do Estado passam pela Fazenda. A vantagem é que, além de ser servidor de carreira, Paulo Eli tem total domínio dos assuntos fazendários, conhecimento aprimorado durante o período como secretário também no governo Eduardo Moreira.

 

Transparência foi a palavra mais repetida pelo governador Moisés em seu primeiro encontro com a imprensa depois de empossado no cargo. Deixou claro que a imprensa terá função importante em seu governo para garantir que a transparência seja efetiva. “É a imprensa que nos mostra onde devemos melhorar. E é através da imprensa que se efetiva o controle do cidadão.”

Revitalizar todas as rodovias estaduais é um dos principais objetivos anunciados por Moisés. Nos 100 primeiros dias de governo ele já pretende ter as primeiras condições para alcançar a meta, itensificando até o final do primeiro semestre. O mesmo objetivo foi anunciado pelos governos anteriores, mas faltou dinheiro. O ex-governador Eduardo Moreira, em seu discurso de despedida, deixou claro que ou tapava buracos ou pagava contas. Vamos ver se agora vai.

Em tempo… O advogado Rafael Horn assumiu, também no dia 1°, a presidência da OAB/SC, sucedendo Paulo Brincas, agora Conselheiro Federal da Ordem. Gestão com ainda mais eficiência, inovação e inclusividade são os pilares do plano de gestão que Horn pretende implementar com ampla participação da advocacia catarinense, além de ampliar o número de cursos, congressos e eventos de capacitação para a classe.