Por: Pelo Estado por: Andréa Leonora | 21/11/2018

Os deputados Ricardo Guidi (PSD), presidente da Comissão da Pessoa com Deficiência, e Vicente Caropreso (PSDB) estiveram reunidos ontem com o secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli, juntamente com representantes da Federação das Apaes de Santa Catarina, incluindo a presidente da entidade, Lorena Schimidt. Foram pedir uma solução para medida anunciada já para o próximo ano. O Estado deixará de contratar (e pagar) os professores admitidos em Caráter Temporário. Vai se limitar a repassar o recurso para que as próprias Apaes contratem esses professores.

O motivo, de acordo com mensagem distribuída pela Feapaes-SC, são “restrições de ordem legal quanto ao Edital para contratações”. Caropreso, médico neurologista e apaeano voluntário, contou à reportagem da Coluna Pelo Estado que a reunião foi produtiva. Uma das soluções encontradas foi fazer a transição de um modelo para outro de forma gradual, dando tempo para que as Apaes possam se ajustar à mudança, contratar e treinar os novos profissionais. “É possível entender a dificuldade do Estado. O ACT pesa sobre a folha como qualquer servidor. O percentual de comprometimento aumenta e um dos reflexos é a dificuldade, por exemplo, de acessar financiamentos”, explicou.

Entretanto, o simples encerramento do sistema atual geraria um vácuo para o qual as Apaes de Santa Catarina não estão preparadas. A intenção do grupo é conversar com o futuro governador, Carlos Moisés da Silva, para ajustar a melhor medida para todas as partes. De acordo com a Federação, o corpo docente das 186 Apaes instaladas em Santa Catarina é formado por 855 professores efetivos e 2.283 professores ACTs.

 

Mais responsabilidade

Todos os anos os deputados estaduais indicam entidades ou pessoas para receberem a Comenda do Legislativo Catarinense. Neste ano não foi diferente. E teve um tom de despedida para alguns parlamentares, os que não se reelegeram e os que foram para a Câmara federal. O emedebista histórico Manoel Mota é um destes. Com uma sequência de mandatos na Assembleia, ele não teve sucesso na última eleição. Ele aproveitou para encerrar a atuação na vida política, pelo menos por enquanto, indicando o senador Dário Berger (MDB-SC) para receber a comenda, a mais alta honraria do Poder Legislativo. Na justificativa de Mota afirma tratar-se de um reconhecimento à atuação de destaque de Berger no Congresso Nacional. “Sinto-me honrado e muito feliz pela indicação. Essa Comenda aumenta nossa responsabilidade e nos motiva a continuar trabalhando em favor dos catarinenses, contribuindo com o desenvolvimento de Santa Catarina”, agradeceu o senador.| Foto: Solon Soares/Agência AL

____________

“Quando os valores da ética e da justiça embasam suas ações, algumas críticas perdem o sentido. Bora trabalhar!”

Postagem feita pelo governador eleito Carlos Moisés da Silva, ontem, em seu Facebook

______________

 

Vuco vuco sem sentido Causou um certo agito na imprensa e no meio político, ontem à tarde, anúncio feito pelo coordenador de transição do governo eleito, professor Luiz Felipe Ferreira, de que as Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs) serão desativadas logo no início da administração de Carlos Moisés, que assume como governador em 1º de janeiro. Qual a surpresa? O anúncio só confirma o que foi insistentemente repetido por Moisés durante a campanha. Aliás, não só por ele, mas por todos os candidatos.

 

Houve uma movimentação para que a extinção das ADRs acontecesse ainda neste ano, ou seja, ainda com o MDB no governo do Estado. Os deputados estaduais foram contrários. Não poderiam assinar o fim de um patrimônio político-partidário criado por ninguém menos que Luiz Henrique da Silveira. O ônus – ou o bônus – ficou para o PSL.

 

Destino social A Assembleia aprovou, na sessão de ontem, projeto de lei do deputado Gabriel Ribeiro (PSD) que permite que restaurantes, bares, padarias, entre outros, doem alimentos prontos e que não foram servidos aos clientes. Não se trata do resto de comida que fica no prato, mas do alimento que sobrou no balcão térmico, perdeu o valor comercial, porém mantém o valor nutricional. A matéria prevê que a doação seja via entidades assistenciais e que todo o processo de preparo seja conforme as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

 

Será inaugurado amanhã (22), em Florianópolis, o Centro de Inovação Acate Downtown, espaço credenciado pela Rede Municipal de Centros de Inovação que nasce com a missão de promover capacitação e networking, atrair negócios e fomentar o ecossistema de inovação da cidade. Daniel Leipnitz, presidente da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate), acredita que o lugar ajudará a aproximar a população de um dos mais importantes setores econômicos do estado. A estrutura terá, entre outros serviços, empresas de tecnologia e economia criativa, espaço coworking, salas de reunião e cafeteria.