Por: Pelo Estado por: Andréa Leonora | 10/01/2019

A Procuradoria Geral do Estado (PGE) recebeu, na manhã de ontem (09), em Florianópolis, visita institucional dos integrantes do Colegiado Superior de Segurança Pública de Santa Catarina, estrutura criada pelo governador Carlos Moisés para integrar Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros e Instituto Geral de Perícias. No primeiro momento, o colegiado está sendo presidido pelo comandante-geral da PM, coronel Carlos Alberto de Araújo Gomes.

Durante o encontro foram tratados assuntos de interesse da Segurança Pública que tramitam na PGE, como aposentadorias e promoções. “O nosso objetivo é atuar no sentido de reduzir o número de litígios, encontrando soluções na via administrativa para resolver demandas importantes do Estado”, destacou a procuradora-geral, Célia Iraci da Cunha. Também participaram da reunião os procuradores-gerais adjuntos Eduardo Brandeburgo e Fernando Mangrich; os demais membros do colegiado, delegado-geral Paulo Koerich (PC), comandante-geral João Valério Borges (CBM), diretor-geral Giovani Eduardo Adriano (IGP) e o diretor-geral do novo órgão, coronel Flávio Graff, além de representantes da área jurídica dos órgãos de Segurança Pública.

Santur Uma fonte ligada à área do Turismo, e que pediu sigilo para o nome, entrou em contato com a Coluna Pelo Estado para falar sobre a sucessão da Santur, empresa responsável pela divulgação e promoção das atrações turísticas de Santa Catarina. Segundo esta fonte, o governo Carlos Moisés deve procurar de fato as entidades representantes do trade, e não o Conselho Estadual de Turismo. São elas as associações brasileiras da Indústria de Hotéis (ABIH-SC), de Agência de Viagens (ABAV-SC), e de Bares e Restaurantes (Abrasel-SC), o Sindicato das Empresas de Turismo (Sindetur-SC), a Federação de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares (Fhoresc), além dos Convention & Visitors Bureau instalados no estado.

São dois os motivos apresentados pela fonte. O primeiro é que, na prática, o mandato do Conselho terminou junto com o governo Eduardo Moreira. Segundo, porque 50% dos membros, incluindo o presidente, Rogério Luiz de Siqueira, ligado ao parque Beto Carrero, foram indicações feitas ainda pelo ex-governador Raimundo Colombo. “O voto foi em um governo de mudança. Se é assim, tem que mudar tudo! Esse conselho que está aí não representa o trade”, reclamou.

Críticas também estão sendo lançadas pelas entidades de proteção e defesa do consumidor. Houve reação negativa com a nomeação de Artur Buch Lopes Figueiredo para presidir o Procon estadual, considerado inexperiente para o cargo. Já no dia 6 de novembro, portanto logo depois do segundo turno da eleição, o Fórum Estadual dos Procons de Santa Catarina encaminhou documento ao governador Carlos Moisés com a Plataforma dos Consumidores e a indicação do nome de Elizabete Baesso para o cargo. Na justificativa da indicação, o fato de Elizabete ter formação para o assunto e atuar na defesa do consumidor mesmo antes da criação do Código Nacional. Além disso, ela atuou na estruturação de diversos Procons municipais.

Tecnologia x Desperdício Um aplicativo para celular desenvolvido pela startup catarinense Gisbase permite que gestores de concessionárias acompanhem em tempo real problemas em redes de saneamento e esgoto – como vazamentos e locais com falta de abastecimento -, além de agilizar ordens de serviço. A tecnologia, conhecida como GIS (do inglês, sistema de geoinformação), foi desenvolvida com apoio do Sebrae-SC e pode ser uma solução para reduzir o alto índice de perda na distribuição de água no Brasil, estimada em 37% do total coletado e tratado.

Turismo rodoviário Mais de 60% da procura – e da compra – online por passagens rodoviárias são para viagens no mesmo dia ou para o dia seguinte. Os dados são de estudo feito pelo portal de informações BuscaOnibus, com sede em Florianópolis, e que processa mais de 12 milhões de pesquisas por mês. Há uma série de fatores que explicam esse comportamento, explica o CEO da empresa, José Almeida, “desde a falta de flutuação no preço das passagens de ônibus, como ocorre no aéreo, até o hábito do brasileiro de comprar a passagem na rodoviária imediatamente antes da viagem”.