Por: Pelo Estado por: Andréa Leonora | 01/12/2018

A partir da próxima segunda-feira (3), correntistas de qualquer instituição bancária poderão efetuar pagamento de Documento de Arrecadação de Receitas Estaduais (DARE-SC) nos caixas eletrônicos do Banco do Brasil. A iniciativa para a parceria foi da Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) com o intuito de agilizar e garantir mais
comodidade na quitação do tributo, sem qualquer custo extra para o governo ou o cidadão contribuinte. “A medida vai reduzir as filas nas agências localizadas dentro dos órgãos do governo do estado, quando é necessário o comprovante de quitação imediato”, exemplificou o secretário da SEF, Paulo Eli.

A operação é restrita a pessoas físicas, na função débito, com exceção de multas de trânsito. São pagáveis através de DARE-SC taxas estaduais como Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA). Certificado de Registro de Veículo (CRV), Certificado de Licenciamento Anual (CLA), emissão de carteiras de habilitação, de carteiras de identidade, entre outros. A medida vai agilizar, por exemplo, o pagamento de tributos no Detran-SC. Antes, quem não era correntista do Banco do Brasil tinha que ficar na fila para pagamento, com atendimento feito por apenas dois funcionários e os caixas eletrônicos só aceitavam clientes do próprio Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal.

Agora, esses equipamentos vão funcionar para todos os bancos. Em que pese a parceria, quem preferir poderá pagar em outros bancos. Atualmente 11 diferentes instituições estão aptas a receber tributos estaduais.

Energia

Conforme material divulgado pela Comunicação da equipe de transição de governo, nesta sexta-feira (30/dezembro), o governador eleito, Carlos Moisés, conheceu novas possibilidades de investimentos no setor energético do estado. Santa Catarina tem grande potencial para empreendimentos parceiros em geração e distribuição de energia, especialmente nos setores de hidrelétricas e termelétricas. A apresentação aconteceu por meio do grupo executivo da empresa EDP Brasil, atualmente a maior parceira e acionista da Celesc, detentora de cerca de 30% das ações da empresa de economia mista. Durante o encontro, o governador eleito aproveitou para apontar uma importante questão econômica da região Sul, cujos municípios detêm cerca de 50% da produção de carvão mineral do país. “Nas usinas siderúrgicas, apenas 30% do carvão extraído nos municípios do Sul do estado podem ser aproveitados. Todo restante é descartado na queima. Mas, com investimentos em tecnologia e sustentabilidade, é possível aumentar o percentual de aproveitamento do mineral em situações ecologicamente mais corretas”, disse. Durante o encontro, o presidente da EDP, Miguel Setas, disse que o grupo de investidores está otimista com a
possibilidade de aumento do PIB Brasileiro para os próximos anos. Já o presidente da Celesc, Cleverson Siewert, aproveitou a oportunidade para atualizar Moisés sobre os investimentos em andamento e programados.

_____________

O governo precisa ser desburocratizado, estar acessível, e ser
eficiente, como buscam incessantemente ser as empresas privadas.
Transferir para o setor público os processos de boas práticas privadas
não é mais um arroubo utópico. É, com toda certeza, uma necessidade.
Secretário de Estado da Comunicação, Gonzalo Pereira, em artigo sob o
título “É tempo de gestão”

____________

Cansaço extremo? Pelo jeito foi exaustiva a campanha eleitoral para o prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni. Ele não se candidatou, mas investiu todas as energias na candidatura de seu filho, Thiago Morastoni (MDB), que não obteve êxito. É que desde o final das eleições Morastoni pai está afastado da presidência da Federação
Catarinense de Municípios (Fecam), sendo substituído por sua vice, Sisi Blind, prefeita de São Cristóvão do Sul.

A expectativa de todos os prefeitos e secretários municipais que participaram do dia de atividades da entidade, com pautas pesadas como o valor a receber do Estado, era que ele aparecesse pelo menos na última Assembleia Ordinária do ano, realizada na quinta-feira (29/novembro). Mas isso não aconteceu. Como a Fecam tem novas eleições no começo de 2019, especula-se que Volnei Morastoni não voltará a
assumir a presidência.