Por: Pelo Estado por: Andréa Leonora | 02/03/2019

Dados do Boletim Epidemiológico de Sífilis 2018, divulgado pelo Ministério da Saúde, mostram que a taxa de detecção de sífilis adquirida passou de 14,4 casos/100 mil habitantes em 2012 para 58,1/100 mil habitantes em 2017. Desde 2010 até junho de 2018 foram notificados quase 500 mil novos casos da doença. A infecção pelo vírus HIV e casos de AIDS também aumentaram nos últimos anos, conforme outro boletim epidemiológico. De 2007 até junho de 2018, os novos casos da doença chegaram a quase 250 mil. Ambas são doenças sexualmente transmissíveis e que têm afetado, principalmente, as camadas mais jovens da população. Houve um incremento na taxa de detecção na faixa de 15 a 19 anos, passando de três para sete casos, por 100 mil habitantes, entre 2007 e 2017.

O número de casos novos das doenças poderia ser zero ou pelo menos bem menor se o uso de preservativo já tivesse se tornado um hábito inquestionável. Mas não é o que acontece. As novas gerações estão entrando na fase de atividade sexual sem os cuidados assumidos pelas gerações anteriores. Com isso, nos últimos cinco anos aumentou também a ocorrência de HPV e gonorreia entre os mais jovens. A preocupação do poder público aumenta nos dias de carnaval, quando há uma ainda maior perda do bom senso. Por isso mesmo, há farta distribuição de camisinhas. Todas essas doenças são evitáveis. Depende de cada um lembrar-se disso antes de cair na folia.

 

“Sociedade penalizada”

Foto: Arquivo OCP

Continua repercutindo o gasto a mais de R$ 6 milhões por mês para o caixa do governo do Estado com o ajuste do teto salarial de 900 servidores públicos. Restam dúvidas sobre a legalidade do aumento automático, efeito cascata do reajuste do Supremo Tribunal Federal (STF), especialmente por conta da situação crítica das finanças estaduais, tão propalada pelo governo. O presidente da Fecomércio-SC, Bruno Breithaupt, acredita ser fundamental que a questão seja “colocada à mesa”. E defendeu: “Se por um lado o secretário da Fazenda, Paulo Eli, técnico de carreira do Estado, torna pública a ideia de que é necessário quebrar os acordos firmados com a classe produtiva e cortar os benefícios fiscais, por outro não temos os ajustes necessários no lado da despesa pública”. O líder empresarial reclama que, além de debater se é justo ou não o reajuste desta ou daquela categoria de servidor, a questão central é que Santa Catarina, para não se aprofundar na sua própria crise financeira, optou por cobrar o esforço fiscal de quem produz e gera emprego, e de quem consome. “Estamos cobrando a conta do professor, do agente de saúde e daqueles que lidam diretamente com os serviços públicos essenciais a nossa sociedade, assim como dos empresários e dos consumidores finais, lá na ponta da cadeia. A sociedade acaba penalizada dupla ou triplamente nesse movimento. É preciso uma rediscussão total do modelo de Estado, fazer uma reorientação profunda do orçamento público.”

 

Tribunal de Contas do Estado (TCE-SC) está de olho no vizinho do outro lado da rua. Ou melhor, nas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) da Assembleia Legislativa que vão levantar tudo sobre os gastos com a reforma da Ponte Hercílio Luz e também sobre os incentivos fiscais concedidos pelo Estado. O próprio secretário da Fazenda estadual, Paulo Eli, admitiu não conhecer o volume desses benefícios e que há “contratos de gaveta” a serem averiguados.

 

A imagem que vem à mente é a daqueles brinquedos que soltam uma cobra de mola quando aberto. O que será que vem por aí? Ainda mais considerando que os empréstimos assumidos no período Colombo/Moreira começam a ser cobrados.

 

Desafio urgente Jornalista ambiental André Trigueiro, o mais especializado no assunto no Brasil, fará palestra aberta ao público em Itapema, no Dia Mundial da Água, 22 de março. A convite da Conasa Águas de Itapema, Trigueiro vai falar sobre Gestão sustentável da água: um desafio urgente. Inscrições e informações devem ser feitas no endereço www.aguasdeitapema.com.br/palestra

 

A Central de Atendimento aos Municípios, instalada na Secretaria da Casa Civil, terminou o roteiro de visitas a todas as Agências de Desenvolvimento Regional (ADRs) nesta semana. Segundo o secretário Douglas Borba, a iniciativa possibilitará um diagnóstico detalhado das agências, incluindo convênios em andamento, estrutura física, pessoal, número de imóveis e veículos. A partir desse mapeamento, o governo poderá dar encaminhamento às necessidades e projetos de cada região após a desativação total das ADRs e intensificar o atendimento a prefeitos por meio da Central.

 

Respeito no carnaval Focada no combate ao assédio, ao preconceito e à embriaguez ao volante, as Comissões temáticas da OAB-SC e a Caixa de Assistência dos Advogados lançaram a campanha digital Carnaval com respeito e sem preconceito. As peças estão disponíveis no site e redes sociais da seccional, para que a população possa compartilhar e incentivar o debate. “Com esta campanha, a OAB cumpre a sua função social, estatutária e constitucional enquanto garantidora dos deveres e direitos da população, e estimula o exercício da cidadania”, justifica o presidente Rafael Horn.