Por: Andréa Leonora | 1 mês atrás

O governador Carlos Moisés recebeu nessa quinta-feira (12), para uma reunião, representantes das associações de Diários do Interior e dos Jornais do Interior, respectivamente ADI-SC e Adjori-SC. A ele foi apresentado o projeto de integração editorial entre os jornais, impressos e digitais, associados e parceiros, ligados às duas entidades. Moisés reconheceu a importância dos veículos de comunicação com sedes em cidades de diferentes portes do interior do estado e enalteceu a ampliação da capilaridade de distribuição de notícias com a integração. “O jornal local tem a confiança dos leitores porque recebem notícias relevantes e fidedignas”, observou.

 

Foto: Daniel Conzi/Agência AL

Na segunda-feira (9), quem recebeu a comitiva foi o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Julio Garcia (PSD), que mais uma vez classificou a Coluna Pelo Estado – ferramenta de integração editorial agora compartilhada pelos dois grupos – como a mais lida de Santa Catarina, justamente pelo alcance que tem. Ambos acompanharam uma breve apresentação feita pelo vice-presidente de Gestão e Finanças da ADI-SC, Adriano Kalil, que falou dos números da nova cobertura, e expressou a possibilidade de parceria desses veículos com o Executivo e o Legislativo na divulgação de realizações, decisões, e campanhas institucionais, de mobilização e de conscientização. “Nós temos a capacidade de estadualizar as informações geradas na Capital”, disse Kalil.

O presidente da Adjori-SC, José Roberto Deschamps, que estava acompanhado do presidente de honra da organização, Miguel Gobbi, registrou que os chamados grandes jornais tiveram quedas expressivas no número de exemplares. De modo contrário, os jornais do interior mantiveram e em alguns casos até aumentaram a tiragem, além da migração para o meio digital, realidade já consolidada para boa parte deles. Moisés estava acompanhado dos secretários de Estado da Casa Civil, Douglas Borba, e da Comunicação, Ricardo Dias, bem como de seu consultor e assessor especial,  Gonzalo Pereira. Todos, assim como Moisés, foram unânimes em parabenizar a iniciativa das duas entidades para a integração editorial e de considerar essencial a parceria do Estado com esse segmento de veículos.

 

Fim do fogo

Foto: Corpo de Bombeiros SC

 

Na manhã dessa quinta-feira (12), o Corpo de Bombeiros apagou os últimos focos do incêndio no Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, na Grande Florianópolis e o maior do estado. Foram 48 horas de combate ao fogo, que destruiu a vegetação e matou animais em cerca de 800 hectares de terra, menos de 1% da área total do parque, que tem território total de 82 mil hectares e se estende por oito municípios. Mesmo assim, a ocorrência preocupou autoridades pelo impacto ambiental e pelo risco de atingir residências próximas. A estiagem prolongada, o lixo depositado inadequadamente às margens da área de proteção e o vento forte contribuíram para a propagação das chamas. Segundo apuração inicial, o incêndio resultou de ação humana. A perícia iniciada na parte da tarde vai tentar definir se foi de forma acidental ou proposital. O combate envolveu 162 pessoas entre policiais, bombeiros, defesa civil, e outros agentes de segurança. Após perícia, o local passará por intervenção do Instituto do Meio Ambiente (IMA) para recuperação da área. Segundo o órgão, serão necessários de dois a três anos para que a natureza volte ao estado normal. De acordo com relatório, ocorrências desse tipo são comuns e o Parque teve casos com proporções ainda maiores em 2004, 2012 e 2016. Em entrevista, o governador Carlos Moisés da Silva disse que aposta em educação ambiental para conter problemas semelhantes no futuro. Ele considera essa medida mais eficiente do que estabelecer um “estado policialesco”.